B.I. de Lisboa: o retrato da cidade e de quem lhe dá vida

image (21)

«Só depois de nos conhecermos, podemos pensar sobre nós». Conheça melhor a sua cidade, através dos dados que a Pordata recolheu

Muitas rugas, mas também um ar cada vez mais jovial, de canudo na mão. É assim Lisboa, cidade com uma população envelhecida e, ao mesmo tempo, a que tem mais estudantes universitários. Uma cidade capital com um retrato próprio que foi traçado pela Pordata, em colaboração com a câmara municipal.

Foram 12 as áreas analisadas, que espelham o que Lisboa tem e permitem inferir o que Lisboa é. Os resultados, a maioria relativos a 2011, estão disponíveis online, num e-book, o que acontece pela primeira vez.

A capital tem 19% dos médicos existentes em Portugal e também 17% dos hospitais do país, sendo que é responsável por 19% dos internamentos. Só em Lisboa, cidade, repare-se.

Não lhe foi atribuído médico de família ou conhece quem esteja nessa situação? Pois bem, há 66,8 habitantes por médico.

Para além de ser o primeiro município do país, com mais habitantes, há outros dados curiosos sobre a população: 63,2% da população está em idade ativa (346.279 pessoas), mas a verdade é que mais de metade dos lisboetas já são pensionistas.

A grande maioria dos casamentos são civis (74,1%), contra 25,3% de casamentos católicos. Existem quase 244 mil famílias, sendo que 85.200 são famílias unipessoais e, destas, 42% são famílias unipessoais de pessoas com 65 ou mais anos.

Em matéria de habitação, entre as casas próprias e as que estão arrendadas é quase ela por ela (51,8% contra 48,2%). Do total de alojamentos, 16% estão desocupados.

A cidade dá trabalho a 229.566 pessoas. Segundo dados de 2009, os homens ganhavam mais do que as mulheres (1.719,1 euros vs. 1.284,6 euros, em média), mas, pelo menos em 2011, a taxa de desemprego era maior entre o sexo masculino (13,2% vs. 10,6%)

Lisboa surge a seguir a Vila Nova de Gaia no que toca ao maior número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção (26.560 pessoas) e mais de metade são mulheres. Mas não escapa ao rótulo de cidade com mais pessoas a receberem subsídio de desemprego (10.600). 48% são mulheres.

O tecido empresarial é composto, na sua esmagadora maioria (95%), por empresas com menos de 10 pessoas. Aqui os dados são de 2010, respeitantes a 99.920 empresas, que representam ainda 8,7% das existentes no país.

Justiça e segurança são áreas com dados que merecem atenção. Em 2010, deram entrada quase 171 mil processos nas polícias, sendo que nesse ano havia mais de um milhão de processos pendentes; A maioria dos crimes (no total 42.400) foram contra o património e contra pessoas em 2011.

Há um gráfico específico, na brochura da Pordata, sobre três tipos de crimes: quase 1.400 de violência doméstica, quase 5.500 de furto em veículo motorizado e 1.150 assaltos de casas. Num ano.

E se pensa que Lisboa é a cidade com mais edifícios do país, engana-se. Tem praticamente 52.500, mas há mais em Vila Nova de Gaia e em Sintra.

Para além de dados sobre tecnologias de informação e telecomunicações e sobre ambiente, energia e território, a Pordata revela ainda que é em Lisboa que há mais sessões de espetáculos ao vivo (6.857) e sessões de cinema (125.678) ¿ dados de 2011.

Outro dado curioso é que a câmara municipal gasta 888 euros com cada habitante, mas a receita que encaixa com cada um é superior (980 euros). Para além disso, as receitas com impostos têm um peso de 52,9% nas receitas totais da autarquia. No caso do IMI, entram 201 euros por residente nos cofres da câmara.

A ideia, é que outros municípios possam fazer o mesmo exercício, segundo a diretora da Pordata, Maria João Valente Rosa. «É algo útil para as cidades e para aproximar as pessoas da informação estatística. Só depois de nos conhecermos, podemos pensar sobre nós».

Artigo publicado aqui

Anúncios